PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

#13A EM DEFESA DA EDUCAÇÃO, DA APOSENTADORIA E DOS EMPREGOS

Captura de Tela 2019-07-08 às 15.32.52

Neste dia 13 de agosto ocorre mais uma grande mobilização nacional em defesa da educação unindo estudantes, professores, trabalhadores em geral e comunidades. O movimento também é em defesa das aposentadorias e pelo emprego.

Os estudantes também saem às ruas contra a projeto Future-se, apresentado pelo Ministério da Educação (MEC), que prevê a ampliação do financiamento privado no ensino superior, o que deve levar a um sucateamento ainda maior das universidades.

Contrariando as Fake News do presidente Bolsonaro e de seu ministro da educação que diziam ser as universidades privadas as que mais faziam pesquisas no Brasil, levantamento feito pela Research in Brazil para a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES), entre 2011 e 2016, mais de 95% das publicações cientificas referem-se às universidades públicas.

Parcerias com a iniciativa privada já existem em todas as universidades. O que não podemos permitir é o comprometimento do principal papel dessas instituições, que é produzir conhecimento para solucionar os problemas sociais do nosso país, através do ensino público inclusivo e gratuito, da pesquisa e dos programas de extensão.

Os direitos e a dignidade do trabalhador também estão no centro dos ataques do governo: na semana passada, o governo Bolsonaro retirou mais R$1 bilhão da educação para comprar votos de parlamentares pela aprovação da “reforma” da Previdência.

Outra gravíssima ameaça que será denunciada neste #13A é a Medida Provisória 881, a chamada MP da “Liberdade Econômica”. Ela é a continuidade da reforma trabalhista. Com diversas modificações sobre as Leis Trabalhistas e alterações na CLT, a MP propõe medidas de aprofundamento da retirada de direitos, como o trabalho aos domingos e feriados para todas as categorias; a extinção do registro de ponto o que resultaria em aumento das jornadas e o não pagamento das horas extras; e a medida também faz modificação com relação à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, a CIPA, retirando sua obrigatoriedade para empresas de médio e pequeno porte.

Tamanhos são os ataques e os disparates do atual governo contra estudantes, trabalhadores, direitos sociais e a soberania do país que cresce e se amplia cada vez mais a resistência e a luta social. Este #13A deverá ser mais uma demonstração de que o povo e os movimentos sociais não aceitam mais retrocessos.