PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Abono salarial e Bolsa Família: mais maldades

Com o mesmo objetivo de beneficiar os ricaços e ferrar os mais necessitados, a quadrilha que assaltou o poder decidiu suspender o reajuste do programa Bolsa FamíliaCom o mesmo objetivo de beneficiar os ricaços e ferrar os mais necessitados, a quadrilha que assaltou o poder decidiu suspender o reajuste do programa Bolsa Família

Enquanto não é apeado do poder – apesar das graves denúncias de corrupção e da crescente rejeição constatada nas pesquisas –, o odiado Michel Temer prossegue com as suas maldades. Para agradar a cloaca empresarial e os rentistas, que financiaram o “golpe dos corruptos”, ele ferra os trabalhadores sem dó nem piedade.

Por Altamiro Borges
Neste sábado (1), o Estadão informou que o covil golpista já estuda extinguir o abono salarial. “Se a votação da reforma da Previdência naufragar no Congresso Nacional, a equipe econômica trabalha com uma alternativa para cortar despesas e garantir o cumprimento do teto de gastos e a volta de superávits primários nas contas públicas. A ideia é acabar com o pagamento do abono salarial”, garante a jornalista Adriana Fernandes.

O benefício é pago anualmente aos trabalhadores inscritos no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e que têm rendimento médio mensal de até dois salários mínimos. O abono salarial beneficia cerca de 22 milhões de trabalhadores. Até o Estadão, que esconde seu apoio à nova proposta de austeridade fiscal, teme seus efeitos. “O custo político do fim do abono salarial seria bem alto, uma vez que seus beneficiários são a camada mais pobre da população”. Apesar da crueldade, Henrique Meirelles, o czar da economia do covil golpista, parece estar decidido a impor a medida caso a “contrarreforma” da Previdência seja derrotada.

“Embora o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considere ainda viável a aprovação das novas regras para aposentadorias e pensões no segundo semestre, depois da votação da reforma trabalhista, a sua equipe tem em mãos uma série de medidas que poderão ser adotadas no caso de a proposta de reforma previdenciária ser desidratada ou mesmo não for aprovada… A Fazenda monitora as negociações da reforma diante do quadro político instável. Mas o ministério não vai ficar parado se a reforma não avançar, informou um membro da equipe econômica, destacando que há alternativas para garantir uma trajetória sustentável da dívida pública”. Ou seja: para garantir o pagamento dos juros aos rentistas, o Judas Michel Temer estuda cortar o abono salarial de 22 milhões de trabalhadores que ganham até dois salários mínimos.

Reajuste do “Bolsa Família” é suspenso

Com o mesmo objetivo de beneficiar os ricaços e ferrar os mais necessitados, a quadrilha que assaltou o poder decidiu suspender o reajuste do programa Bolsa Família, que deveria ser anunciado em julho. Segundo a Folha, a ideia inicial era elevar o benefício em 4,6%, mas a equipe econômica informou que não há espaço no Orçamento para conceder o aumento. Ainda segundo o jornalão, assessores do Judas Michel Temer informaram que a discussão sobre o reajuste do Bolsa Família foi adiada e “não há prazo para que ela seja retomada”. A Caixa Econômica Federal já foi avisada que os valores pagos atualmente não sofrerão correção.

 

Fonte: Blog do Miro via Portal Vermelho

Seja o primeiro a comentar em "Abono salarial e Bolsa Família: mais maldades"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*