PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Diante da inação do governo, população limpa praias do Nordeste

74b278ae-joyce-farias-18-1025x1366

Nos últimos dias, centenas de pessoas se mobilizaram para conter o óleo que chega no litoral, enquanto governo e seus órgãos competentes estão falhando no combate ao problema.

 

O governo Bolsonaro e seus órgãos competentes estão falhando no combate às manchas de óleo no Nordeste. Em vez de focar na resolução do problema com eficiência, o presidente Jair Bolsonaro viajou para o exterior e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tenta mascarar a sua inação desviando a atenção do fato e jogando a responsabilidade para a população e para as organizações não governamentais.

Enquanto isso, os cidadãos realizam, como podem, a limpeza das praias. Nos últimos dias, voluntários do Greenpeace, de outras entidades e cidadãos comuns também contribuíram com o esforço realizando atividades, ajudando em trabalhos de combate ao óleo e documentando os locais atingidos.

Neste fim de semana, voluntários do Greenpeace realizaram ações de limpeza nas praia e Cupe, Maracaípe e Muro Alto (PE) e em Fortaleza (CE), onde também fizeram um protesto pacífico.

Também hoje o ministro espalhou um vídeo do Greenpeace, com uma edição falaciosa, como se não estivéssemos ajudando na limpeza. Ricardo Salles não acionou o plano de emergência a tempo e da forma correta para combater o óleo e, agora, quer jogar a culpa nas ONGS que fazem o trabalho que o governo não faz. O governo e o Ministro devem focar em resolver o problema com eficiência em vez de jogar a responsabilidade para a população.

Nosso conselho do vídeo reiteramos aqui: ao realizar a limpeza de praia em locais atingidos por petróleo, é importante utilizar equipamentos de segurança para evitar contaminação. O petróleo é altamente tóxico e pode causar danos à saúde.

O Greenpeace atua há décadas contra a exploração de petróleo em áreas sensíveis e destaca os riscos que a atividade coloca ao meio ambiente. Há anos vemos paisagens sendo afetadas, a perda de biodiversidade e os impactos sociais causados pelo petróleo, que também é um dos principais causadores das mudanças climáticas no mundo. No Brasil, por exemplo, conseguimos barrar que a petroleira Total perfurasse e explorasse a região perto do recife dos Corais da Amazônia. Tivemos mais de 2 milhões de pessoas do mundo todo apoiando essa campanha em defesa da biodiversidade.

Greenpeace Brasil