PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Dissídio 2021: Sindicato dos Metalúrgicos defende 10% de aumento para a categoria

A direção executiva do Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e região, em reunião ordinária, deliberou a respeito do índice de aumento a ser reivindicado nas negociações do dissídio 2021-2022. A partir da decisão da assembleia geral da categoria, a direção da entidade havia ficado com a responsabilidade de acompanhar o índice de inflação com referência a data-base da categoria: 1º de junho. O percentual levado em consideração é o acumulado de 12 meses da elevação de preços ao consumidor. O aumento busca equilibrar a economia e recuperar o poder de compra dos salários.

Os resultados recentes da indústria na região mostram um crescimento constante nos lucros das empresas metalúrgicas, enquanto a categoria enfrenta um arrocho salarial histórico, considerando o cenário econômico. Alimentos básicos como o arroz (+75,3%), feijão (+81,4%), óleo de cozinha (+104%), gás de cozinha (+22,7%) e gasolina (+43,47%) sofreram sucessivos aumentos que impactam no poder de consumo da população em geral. Mesmo com toda a maquiagem econômica para segurar o crescimento do índice de inflação, ela não para de crescer. A título de exemplo, o INPC de fevereiro de 2021 subiu 0,48%, 0,93% em março e 0,38% em abril, o acumulado de 12 meses para o próximo mês tem a previsão de chegar a 7,46 %, segundo o DIEESE. 

Economistas e estudiosos do tema trabalhista têm alertado sobre a necessidade de superação dos impactos da Covid-19 na economia e nas relações sociais de produção, principalmente sobre o combate ao espiral recessivo, a partir do investimento no poder de compra da população e políticas públicas para a manutenção de emprego e renda. Para isso, é fundamental a valorização do trabalho e da qualificada mão-de-obra metalúrgica disposta em nossa região através de aumento salarial para a recuperação do poder de compra e possibilite o impulsionamento da economia local. 

Assim como em anos anteriores, as empresas intensificaram as demissões e recontratações com salário menor, conhecida como rotatividade. Além disso, com as medidas de flexibilização tomadas durante a pandemia, algumas empresas se utilizaram das ferramentas que deveriam combater o desemprego e ainda lucraram com elas. Em nossa região, por exemplo, o Grupo Marcopolo publicou receita líquida de 3,59 bilhões de reais e lucro bruto de 595,6 milhões de reais em 2020 e o Grupo Randon publicou receita líquida de 5,4 bilhões de reais e lucro líquido de 664,7 milhões de reais no ano da pandemia, 168,4% a mais do que em 2019. Além disso, dados divulgados pela Câmara de Indústria e Comércio (CIC) apontam crescimento de 17,2% na indústria em Caxias do Sul apenas no primeiro semestre de 2021.

Nesse cenário, o Sindicato de trabalhadores vem dando prosseguimento às discussões e negociações em relação ao dissídio. Com o acúmulo de discussões e dados, a entidade sindical buscará aumento salarial em 10%, considerando a inflação da data-base mais o índice de aumento real. Além disso, também está na pauta do Sindicato o Triênio para a categoria, considerando a alta da rotatividade na região; Auxílio-creche para filhos de trabalhadores e trabalhadoras, o direito conquistado pelo sindicato precisa ser ampliado para que pais também tenham direito, pois a responsabilidade dos filhos é de pais e mães; Diminuição do valor pago pelo vale-transporte; e Lavagem de uniformes.

Toda a diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos segue organizada e se movimentando para a conquista de direitos e do aumento salarial. Apesar da postura relutante do Sindicato Patronal, o cenário exige valorização dos trabalhadores e trabalhadoras e o aumento real é o caminho para reaquecimento de toda a economia. Nas próximas semanas, seguirão as ações para levar adiante a Campanha Salarial. A partir do trabalho cotidiano com presença nas fábricas, diálogo com especialistas no âmbito econômico e a ação firme de sua diretoria, a entidade prossegue com as negociações das pautas definidas pela categoria em assembleia geral.

Para a economia andar. Vacina e aumento, já!