PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Movimento negro avalia que políticas raciais tendem a estagnar com Temer

image_large

No próximo domingo, Dia da Consciência Negra, 1 milhão de pessoas devem sair às ruas em diversas cidades do país para defender os direitos da população negra e combater retrocessos

 

Militantes do movimento negro avaliaram nesta quinta-feira (17), em entrevista coletiva realizada em São Paulo, que com os cortes de orçamento previstos pelo governo de Michel Temer, as políticas sociais e as ações afirmativas para o combate ao racismo devem estagnar e perder força. Contra a postura do governo federal, o movimento promete levar 1 milhão de pessoas às ruas no próximo domingo (20), Dia da Consciência Negra, em diversas cidades do país, na 13ª Marcha da Consciência Negra.

Neste ano, o ato incorporou como mote central a bandeira dos demais movimentos sociais: “Fora, Temer!” e “Nenhum direito a menos”. Além disso, eles criticarão a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, que congela por 20 anos os investimentos sociais do governo federal. Também vão protestar contra a anulação pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em setembro, do julgamento de 73 policiais militares (PM) envolvidos no caso do massacre do Carandiru. No episódio, 111 internos do presídio foram assassinados pela polícia, após uma rebelião na casa de detenção, em 2 de outubro de 1992.

 

captura-de-tela-2016-11-18-as-10-49-55

 

“Nós temos críticas, mas é inegável que houve diversos avanços nas políticas afirmativas nos últimos anos. Um exemplo são as trabalhadoras domésticas, que havia 30 anos reivindicavam os mesmos diretos dos demais trabalhadores”, afirmou a coordenadora nacional de Entidades Negras, Sandra Mariano, em alusão à PEC das Domésticas, aprovada em 2013 para garantir direitos trabalhistas à categoria, como Fundo de Garantia, folgas semanais remuneradas e férias. “Com a PEC que congela salários e impõe uma reforma da Previdência nós voltaremos ao tempo da escravidão.”

Os principais atos ocorrerão em São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Porto Alegre. Só no estado de São Paulo, 101 cidades vão aderir à marcha. Na capital paulista, a concentração será às 11h, no vão livre do Masp, na Avenida Paulista. Até as 16h haverá uma série de atividades artísticas ligadas à cultura e a resistência do povo negro. Depois disso, os manifestantes seguirão em marcha pela Rua da Consolação, até o Teatro Municipal de São Paulo, na região central da cidade.

“Em São Paulo, o ato terá uma importância especial porque aqui é o centro da direita, com a elite paulista, que está à frente do golpe. Temer é daqui e o atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, também”, afirmou o integrante da organização Convergências da Luta de Combate ao Racismo no Brasil Flávio Jorge.

Durante o ato, haverá ações de defesa dos direitos das mulheres negras, com pautas específicas, como uma política de comunicação não sexista e que enfrente o racismo, o reconhecimento e preservação dos saberes das populações tradicionais, legalização do aborto e direitos sexuais e reprodutivos, por igualdade salarial e por uma política de saúde efetiva para as mulheres negras.

captura-de-tela-2016-11-18-as-10-50-25

“Desde novembro do ano passado entregamos diversos documentos exigindo políticas para as mulheres negras para secretarias e para a Assembleia Legislativa e acreditamos que com o golpe será mais difícil dialogar”, lamentou a integrante do Núcleo Impulsor do Estado de São Paulo da Marcha das Mulheres Negras Luka Franca. “Com os cortes do governo golpista, ações de combate ao feminicídio vão parar porque a rede de apoio para combater a violência enfraquecerá.”

 

RBA

Seja o primeiro a comentar em "Movimento negro avalia que políticas raciais tendem a estagnar com Temer"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*