PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

NÃO HÁ CONTRADIÇÃO ENTRE DEFENDER A VIDA E OS EMPREGOS

Diante do decreto da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul, que autorizou o retorno ao trabalho nas empresas metalúrgicas na proporção de 25% de seu quadro de pessoal, o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos reafirma que sua prioridade segue na PROTEÇÃO DA VIDA e DA SAÚDE dos trabalhadores e de seus familiares, assim como na PROTEÇÃO dos EMPREGOS e DA RENDA da categoria metalúrgica.

O Sindicato também pontua que, enquanto diversos países mundo afora anunciam cifras na casa dos TRILHÕES DE DÓLARES para defender a saúde de suas populações e suas economias, no Brasil o governo segue tímido e parece apostar no caos já que anunciou apenas R$ 51 bi.

DEFESA DA SAÚDE E DA VIDA

Para o Sindicato, a RESPONSABILIDADE DAS DECISÕES na gestão da crise e das ameaças relativas ao avanço da pandemia Covid-19 É DO PODER PÚBLICO MUNICIPAL, que precisa seguir as recomendações da OMS e das autoridades de saúde.

Diante disso a entidade mantém sua posição – informada ao Prefeito – sobre a necessidade de continuar o isolamento, tendo em vista que Caxias está entre os municípios com maior incidência da doença no RS e possui capacidade bastante limitada de leitos de UTI e respiradores. Além disso, a cidade não possui os exames para testar em massa a população, condição que estabeleceria um maior controle dos focos do coronavírus.

Sobre a posição dos empresários em ampliar a utilização da mão-de-obra para 50%, o Sindicato dos Metalúrgicos considera a proposta temerária, pois expõe ainda mais trabalhadoras e trabalhadoras ao risco iminente à infecção.

DEFESA DOS EMPREGOS E DA RENDA

Para o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos o parâmetro para as negociações trabalhistas relativas ao enfrentamento da crise deve ser o Acordo Coletivo firmado com os empresários no dia 16 de março, e não a Medida Provisória MP 936, do governo federal.

A MP 936 é muito prejudicial já que não garante os empregos e nem a renda para os trabalhadores. Porém, irá a votação no Congresso Nacional nos próximos dias, podendo sofrer alterações.

O GOVERNO ESTÁ FAZENDO POUCO

O Sindicato dos Metalúrgicos defende que o governo federal precisa injetar dinheiro na economia e ampliar muito o investimento público, pois não faz mais sentido uma política baseada na ideia da austeridade fiscal diante da gravidade da doença e do seu impacto na economia.

O governo federal deveria adotar medidas mais profundas e abrangentes de proteção aos mais vulneráveis, ao emprego e a renda dos trabalhadores, e para as empresas, sobretudo as pequenas e médias, assim como estão fazendo diversos países, como Alemanha, Holanda, Estados Unidos, Dinamarca, Espanha, Venezuela, Inglaterra. Nestes países, o investimento para proteger a economia e os trabalhadores chega a 20% do PIB. No Brasil, em levantamento divulgado pelo Observatório de Política Fiscal, ligado ao Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas, os gastos equivalem a pouco mais de 2% do PIB, o que é muito pouco!

Portanto o Sindicato dos Metalúrgicos reafirma que neste momento precisamos de uma corrente de solidariedade para enfrentar o avanço da pandemia, e que não há contradição entre defender a vida e a economia. As vidas perdidas não é possível recuperar!