PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Patrões da Fundifar apelam para “lock out” para sonegar direitos trabalhistas

lockout

Conscientes da solidariedade entre colegas, patrões tentam desestabilizar trabalhadores

 

Nesta segunda-feira, 20 de maio, o Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região e os demitidos da Fundifar estavam prontos, em frente à fábrica, em Farroupilha, para mais uma manifestação em defesa dos direitos trabalhistas dos desligados no dia 06 de maio e que não receberam suas verbas trabalhistas. Esses metalúrgicos foram orientados pelos representantes dos patrões, “a buscar seus direitos na Justiça porque não havia dinheiro para pagá-los”, segundo testemunha os trabalhadores demitidos.

Entretanto, foram surpreendidos com uma “greve de patrão”. Prática conhecida como “lock out” ou locaute. A fábrica estava fechada, nenhum transporte chegou até lá (ou seja, não foram buscar os trabalhadores em suas residências), e o próprio vigilante estava para o lado de fora. Não permitiram que nenhum trabalhador entrasse na empresa.

“Eles querem sonegar os direitos dos trabalhadores. Chegaram a esse ponto de tentar desestabilizar emocionalmente os metalúrgicos e metalúrgicas, para que desistam de lutar por seus direitos. Eles perceberam que há uma grande união e muita solidariedade entre os demitidos e os que permanecem efetivados. Estamos todos lutando por direitos. Pagar os direitos trabalhistas não é favor dos patrões. É obrigação!”, afirmou o presidente do Sindicato, Assis Melo.

 

Greve e audiências

Duas audiências foram realizadas no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, em Porto Alegre, nos dias 13 e 16 de maio, após paralisações na fábrica na semana anterior. O Sindicato, apoiado pelos trabalhadores ainda efetivados da empresa, juntou-se aos demitidos para exigir o pagamento das rescisões. A união e solidariedade marcaram três dias de protestos, onde um verdadeiro acampamento foi feito em frente à Fundifar.

Não houve sucesso na tentativa de conciliação nas audiências do TRT. A empresa propõe parcelar os valores em 8 vezes. Porém, o Sindicato não aceita. A direção do Sindicato, assim como os trabalhadores, não acredita no pagamento das parcelas. “Já estamos calejados dessa história. As empresas em Recuperação Judicial, em Caxias do Sul, não cumpriram os acordos dos pagamento das parcelas de verbas rescisórias. Nenhuma delas! O Sindicato não aceita mais essa prática”, declarou o presidente nas audiências.

A proposta da entidade é a reintegração dos trabalhadores. “A empresa que demita somente o número de trabalhadores que eles possam pagar. Se podem pagar os direitos de dois trabalhadores, demitam dois. Que demitam aos poucos. A empresa tem o direito de demitir. Não é isso que questionamos. Mas, não tem o direito de sonegar o pagamento. Nós não queremos nada além do que está na Lei”, ressaltou Melo.

A Fundifar está em Recuperação Judicial desde 2017.

O Sindicato permanece em frente à fábrica.

Seja o primeiro a comentar em "Patrões da Fundifar apelam para “lock out” para sonegar direitos trabalhistas"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*