PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Patrões não contestam argumentos dos metalúrgicos pela recomposição do poder de compra dos salários

reunião 3 - campanha salarial

A reunião de negociação entre o Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região e o setor patronal (SIMECS), ocorrida na manhã desta terça-feira, 25, serviu para o Sindicato reforçar ainda mais seus argumentos quanto a necessidade de uma recuperação no poder de compra dos salários da categoria. Além disso, dezenas de matérias de jornais atestando o crescimento dos lucros das empresas locais foram mostradas aos patrões, que mantiveram a intenção de apenas repor a inflação da data-base (01 de junho), que é de 4.78%.

 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos, Assis Melo, os argumentos dos metalúrgicos, para reivindicar um aumento real, não foram contestados pelos patrões. “Demonstramos novamente na mesa de negociação que o arrocho salarial dos metalúrgicos e metalúrgicas existe por causa da rotatividade que os patrões fizeram. Nosso estudo diz que em 2018 foram contratados 16 mil metalúrgicos em Caxias do Sul, porém 13 mil foram demitidos. Nessa rotatividade, os trabalhadores perderam cerca de 18% nos salários. Ao longo de seis anos, esse índice chega a 33%. Eles não contestaram nossos argumentos. Sabem que é essa a verdade da categoria e isso reflete negativamente na economia da cidade e da região”, disse Assis.

 

Mérito?

Assis Melo questionou afirmação de representante de um grande grupo na mesa: “o representante patronal nos disse que os metalúrgicos do seu grupo ganham aumento de 10% por mérito. Como assim? Então, quem está tendo mérito? Para nós, toda categoria merece ser valorizada, toda categoria tem mérito! Seria justo este índice de 10% de reajuste para toda categoria. Se o metalúrgico ganhar mais, consome mais e isto beneficia toda a região e gera mais empregos”, cobrou Assis.

Assis esclareceu que os trabalhadores e trabalhadoras da categoria não recebem aumentos espontâneos durante o ano – como foi dito – e que os únicos aumentos salariais ocorridos nos últimos anos tem sido na negociação coletiva da campanha salarial, por isso é tão importante chegar-se a um acordo que beneficie realmente toda a categoria e a cidade de Caxias. “Seguimos dizendo que não acreditamos que os empresários queiram a miséria de Caxias”, completou Assis, fazendo uma referência a palavra de ordem da campanha.

A data para próxima negociação será, provavelmente, no dia 2 de julho. As primeiras reuniões ocorreram nos dias 11 e 18 de junho.