PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Sindicato dos Metalúrgicos repudia a retirada de direitos no transporte público caxiense

O Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e região repudia a aprovação dos projetos enviados pelo governo do prefeito Adiló Didomênico (PSDB) na Câmara Municipal. As medidas retiram direitos sociais importantes dos trabalhadores, trabalhadoras e suas famílias.

O Sindicato se posiciona totalmente contrário à redução do passe livre, bem como ao fim do da gratuidade aos idosos entre 60 e 65 anos e fim do direito à meia passagem para profissionais da educação. O passe livre é uma conquista da comunidade mais carente, que utiliza o benefício para visitar familiares ou para passear com a família.

Os projetos foram enviados à Câmara de Vereadores para serem votados a toque de caixa em Sessão Extraordinária, sem diálogo com os usuários e sem um o amplo debate com a sociedade. A prefeitura municipal não apresenta quais seriam as contrapartidas para adotar medidas drásticas que penalizam severamente o povo trabalhador, das comunidades e dos bairros, que já sofrem um massacre com as reformas trabalhistas e da previdência. Adotando essa postura, o governo demonstra que não tem qualquer compromisso com as questões sociais de interesse público como é o passe livre e o direito à meia passagem para profissionais essenciais para educação, como professores e funcionários de escolas.  

Em declaração, o vice-presidente Paulo Andrade exalta os prejuízos para a população. “É preocupante a decisão da Câmara e os projetos do prefeito Adiló. As ações favorecem somente a VISATE, exterminando os direitos da população. O Poder Público se mobiliza a partir dos interesses da empresa, e não da população. Os atrasos nos horários e ônibus lotados passam totalmente despercebidos. A decisão demonstra uma prática de estado mínimo para o povo e máxima ajuda as empresas e monopólios” comentou o vice-presidente Paulo Andrade.

Resta ao governo Adiló se pronunciar claramente quais serão as ações frente à pandemia, um problema grave que afeta os caxienses, mas também os empregos e a economia da cidade.