PORTAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO

         

Trabalhadores recebem representantes do TRT4

TRT01

Representantes dos movimentos sociais de Caxias do Sul e região se encontraram na tarde desta terça-feira, 04 de fevereiro, para receber a equipe do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, que está fazendo visitas institucionais pelo interior do Estado. Em Caxias do Sul,  o grupo esteve com o poder público (Prefeitura e Câmara de Vereadores), com a Ordem do Advogados do Brasil – OAB e com os empresários no Simecs. Com os trabalhadores, o encontro foi no auditório do Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região.

O Vice-Presidente do TRT4, desembargador Francisco Rossal de Araujo, explicou o motivo das visitas.

– Há uma série de questões que começam pelo foco trabalhista. Mas, na verdade elas têm um interesse que transcende o foco trabalhista e dizem respeito a toda população. Nós estamos cientes disso e procuramos enxergar os olhos da sociedade. Enxergamos os olhos dos trabalhadores, os olhos das empresas. Mas, também é nosso papel enxergar com os olhos da sociedade. Enxergar com os olhos da sociedade não significa ficar fechado em um gabinete em Porto Alegre. Essa nossa iniciativa é também de humildade. Nós reconhecemos que precisamos nos aproximar da população. É óbvio que temos um interesse, que é o de fortalecer a nossa Instituição. Sem um Poder Judiciário vivo, vibrante, nesse nosso caso especializado, com o DNA da justiça social, nós não temos uma sociedade democrática e não temos um país desenvolvido. Essa é a nossa ideia, defendendo a Justiça do Trabalho, nós estamos defendendo um país justo e desenvolvido, para que as futuras gerações possam viver melhor. Essa é a nossa mensagem – salientou o desembargador.

TRT Francisco Rossal

Assis Melo, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, ressaltou a importância de defender a Justiça do Trabalho.

– Só podem acabar o Sindicato e a Justiça do Trabalho o dia que os trabalhadores e as trabalhadoras deixarem de ser explorados. Os sindicatos e a Justiça do Trabalho nasceram para dar o equilíbrio entre o capital e o trabalho. Caso contrário, quem busca o equilíbrio? O confronto direto? Aí alguém sempre vai se machucar. Vai depender de quem tem mais força. Nós recebemos a institucionalidade do Tribunal Regional do Trabalho, com carinho, emoção e sinceridade com que recebemos nossos amigos. As instituições precisam ser respeitadas, porque nós passamos, mas as instituições ficam e elas é que dão o equilíbrio na sociedade, elas que garantem, de fato, a democracia. Um país é mais ou menos democrático, respeita os direitos da sociedade, se tem instituições fortes e respeitadas pela sociedade. Defender a institucionalidade, defender a Justiça do Trabalho, significa garantir um país democrático. Um país sem democracia é um país que corta liberdade e direitos – ressaltou o presidente da entidade dos trabalhadores.

 

Assis

 

Representantes

Além do Vice-Presidente do TRT, estiveram no encontro o Desembargador João Paulo Lucena, Coordenador do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos – NUPEMEC -, a Juíza Aline Fagundes, Supervisora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos do 2º Grau – CEJUSC -, e o Juiz Daniel Nonohay, auxiliar da presidência.